Ele já foi conhecido como um dos “Irmãos Coragem”. Ao lados dos irmãos Henrique e Romualdo lutou pelo fim da ditadura militar no Brasil. 

Mas ao longo do tempo Adhemar Santillo foi dilapidando sua própria história com erros que ficaram marcados na população de Anápolis. Hoje, é uma personalidade que é evitada por políticos que preferem se encontrar às escondidas que sair em fotos ao lado de Santillo. 

Tudo começou com os erros envolvendo os servidores públicos. Adhemar deixou a prefeitura devendo quatro meses de salários, o mesmo que pegou de seu antecessor Wilney Martins. 

Depois quis destruir o irmão mais famoso. Adhemar disputou a eleição com o Henrique Santillo  que terminou a eleição de 1996 em quarto lugar. Uma humilhação que custou a relação dos dois. 

A deterioração da imagem do clã Santillo custou a carreira de Onaide que jamais conseguiu vencer uma eleição por conta do sobrenome. Quando atinou para isto e começou a omitir o nome da família já era tarde demais: todos já sabiam que a “Onaide” era Santillo. 

O fim da carreira foi filiar-se ao PSDB e se submeter a seguir ordens de quem costumava se opor nas urnas. Como coordenador da campanha de Carlos Antônio, encontrou seu buraco mais fundo. Além de não agregar e prejudicar a frágil imagem do deputado, Santillo se tornou um personagem forçado a ser dos bastidores: ninguém quer encontrar ou posar ao lado do ex-político. 

Adhemar se tornou uma sombra do que era. E é um caso a ser estudado. E evitado. 

Anúncios